Homero Costa Advogados

+55 (31) 3282-4363
advocacia@homerocosta.adv.br

Notícias



STF marca votação sobre recursos contra rito de impeachment

Terça-feira 09 de Março de 2016.

Por Carolina Oms e Vandson Lima | De Brasília

Lewandowski com Rubens Bueno e Imbassahy: "Os problemas políticos precisam ser resolvidos pelos políticos"

O Supremo Tribunal Federal (STF) marcou para quarta-feira, 16, o julgamento de recursos contra decisão da Corte que alterou o rito do impeachment no Congresso Nacional. A data foi acertada pelo presidente Ricardo Lewandowski com o relator do caso, ministro Luís Roberto Barroso. "O país tem pressa em definir essa questão", disse o ministro-relator.

Ontem, deputados que se opõem à presidente Dilma Rousseff se reuniram com o presidente do STF para pedir agilidade na decisão. Muitas vezes acusado de judicialização da política, o Supremo vem recebendo inúmeros pedidos de intervenção dos congressistas e partidos políticos.

Lewandowski, disse aos líderes da oposição que "os problemas políticos precisam ser resolvidos pelos políticos". O STF terminou ontem a publicação do acórdão sobre o rito do processo de impeachment a ser cumprido pelo Congresso Nacional, após o julgamento realizado em dezembro. O acórdão é o documento que resume a decisão tomada pelo Supremo.

A publicação permite que as partes envolvidas possam apresentar recursos questionando "omissões, contradições e obscuridades" no julgamento.

Insatisfeito com o rito determinado, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), apresentou recursos que questionam a decisão antes e depois da publicação do acórdão. O prazo para apresentação de embargos vai até domingo, 13. Cunha disse ontem que retomará o processo de impeachment assim que o STF terminar o julgamento de recursos.

O ministro Marco Aurélio Mello criticou a iniciativa de Cunha de reiterar os embargos declaratórios em que questiona o rito do impeachment estabelecido pela Corte. Para Marco Aurélio, o Supremo já foi suficientemente claro sobre a questão, não cabendo o questionamento. "Eu não consigo conceber que depois de tanta discussão no plenário do Supremo, tenhamos lançado ao mundo jurídico um pronunciamento obscuro, contraditório e omisso", afirmou.

No tribunal, no entanto, existe a expectativa de que Barroso possa propor algum ajuste em seu voto. No julgamento, o STF anulou a comissão pró-afastamento que havia sido formada na Câmara e entendeu que não cabe votação secreta para a eleição da comissão que ficará encarregada de elaborar parecer pela continuidade ou não do pedido de destituição de Dilma na Câmara.

A expectativa da oposição é que os ministros da Corte mudem parte da decisão e permitam que a comissão do impeachment seja eleita em votação secreta, com a participação de chapas avulsas, o que diminui o controle das lideranças partidários sobre a composição do colegiado. O assunto é estratégico para os partidos em que há divisões entre governistas e oposicionistas, como PMDB, PP e PSD.

Presidente do Congresso Nacional, o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) cancelou a sessão conjunta de deputados e senadores marcada para ontem que analisaria vetos presidenciais.

Renan disse que a obstrução anunciada pela oposição nas duas Casas, que durará até a instalação da comissão que tratará do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff, foi decisiva para o cancelamento. "Estou avaliando transferir a sessão para os próximos 10 ou 15 dias. Há indicativos de que pode haver obstrução, então é melhor transferir para não radicalizar o debate internamente".

__________

Fonte: Valor Econômico

Nossa Missão:

Apoiar os  nossos Clientes na realização de seus negócios, evitando-se litígios, prestando serviços jurídicos compromissados com a ética, responsabilidade e excelência.

Rua Manoel Couto, 105 Cidade Jardim CEP 30380-080 Belo Horizonte MG / Tel.: 31 3282-4363 Cel.: 31 9613-2297 e 31 9834-6892 Fax: 31 3281-2015
SITE DESENVOLVIDO POR ACT COMUNICAÇÃO EM PARCERIA COM READYPORTAL