Homero Costa Advogados

+55 (31) 3282-4363
advocacia@homerocosta.adv.br

Notícias



Governo lança novo pacote para tentar diminuir impostos

Sexta-feira 11 de Julho de 2014.

Fernanda Bompan - agências

O governo publicou ontem uma série de medidas que visam incentivar a competitividade das empresas. Uma das maiores expectativas atendidas é a restituição do Reintegra, o que foi comemorado pelas exportadoras, a quem o programa se destina. Contudo, a maioria dos especialistas critica o fato de que foram ações "pontuais".

De acordo com o secretário executivo adjunto do Ministério da Fazenda, Diogo Henrique de Oliveira, a nova edição do Reintegra, prevista na Medida Provisória 561 de 2014, começará a valer para exportações feitas a partir de agosto. A vigência, porém, depende de regulamentação que ainda será divulgada.

A coordenadora da área tributária do Martinelli Advocacia Empresarial, Priscila Dalcomuni, entende que uma das maiores vantagens com a volta do Reintegra é que o crédito tributário adquirido pela exportadora não entrará mais na base de cálculo do Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ), Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL) e do Programa de Integração Social (PIS) e Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins).

"Antes, esse crédito entrava como receita da empresa, e era tributado [na base dos impostos mencionados]. O crédito poderá até ser menor, mas virá 'limpo' e poderá ser usado para compensações e restituições", explicou a advogada ao DCI, ao acrescentar que a notícia foi bem recebida pelos seus clientes.

O secretário informou que o programa terá alíquota de 0,3% neste ano e, para os próximos períodos, pode variar de 0,1% a 3,0%, conforme anunciou no mês passado o ministro da Fazenda, Guido Mantega. Para 2014, com a alíquota de 0,3%, a renúncia fiscal estimada pela equipe econômica de Dilma Rousseff é de R$ 200 milhões.

Dyogo lembrou que o Reintegra é um programa que visa incentivar exportações por meio da compensação de créditos tributários que são retidos ao longo da cadeia produtiva. "A legislação tributária gera retenção de créditos em determinados pontos da cadeia produtiva que não são passíveis de devolução dentro da compensação do próprio tributo. Então, dentro da linha de desoneração das exportações, que é aceita em acordos internacionais, o Reintegra faz essa devolução para o exportador", disse. A medida esteve em vigor até o ano passado, com alíquota de 3%. Ele esclareceu, ainda, que a diferenciação por bens, do ponto de vista legal, poderia ser feita neste ano.

Outra mudança bem recebida foi que a desoneração da folha de pagamentos para vários setores se tornou permanente. "O Reintegra ajudará exportadores e poderá estimular que outras empresas exportem. Contudo, essa medida junto com a da desoneração e do Refis da Crise [Programa de Refinanciamento de Dívidas Tributárias] são medidas pontuais que ajudam um pouco algumas empresas, mas que não causam uma revolução, como uma reforma tributária", disse o professor da Fia, Nelson Beltrame Bruxelas.

__________

Fonte: Valor Econômico

Nossa Missão:

Apoiar os  nossos Clientes na realização de seus negócios, evitando-se litígios, prestando serviços jurídicos compromissados com a ética, responsabilidade e excelência.

Rua Manoel Couto, 105 Cidade Jardim CEP 30380-080 Belo Horizonte MG / Tel.: 31 3282-4363 Cel.: 31 9613-2297 e 31 9834-6892 Fax: 31 3281-2015
SITE DESENVOLVIDO POR ACT COMUNICAÇÃO EM PARCERIA COM READYPORTAL