Homero Costa Advogados

+55 (31) 3282-4363
advocacia@homerocosta.adv.br

Notícias



Carf avalia cobrança de IR de R$ 188 milhões de Neymar

Sexta-feira 20 de Janeiro de 2017.

Por Beatriz Olivon | De Brasília

Advogado Marcos Neder: Fisco não demonstrou que empresas tinham estrutura dissimulada e não há prova de que dinheiro entrou na conta de Neymar

O julgamento que avalia a validade de uma cobrança de R$ 188 milhões pela Receita Federal do jogador de futebol Neymar da Silva Santos Jr foi suspenso ontem pelo Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf). A análise foi interrompida antes de qualquer conselheiro votar. O caso está na 2ª Turma da 4ª Câmara da 2ª Seção do órgão.

O Fisco cobra do atleta o Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) referente aos anos de 2012 a 2014. Do total, R$ 64 milhões são valores do imposto que a Receita considera devidos, R$ 10 milhões são juros de mora, R$ 95 milhões de multa de ofício e R$ 19 milhões da multa isolada.

A Receita aponta uma série de omissões de rendimentos, referentes a valores recebidos por meio das empresas dos pais do atleta, a NR Sport & Marketing, N& N Consultoria Esportiva e N&N Administração de Bens. Os valores incluem receitas de publicidade e também cerca de 40 milhões de euros de direito de preferência pago pelo clube Barcelona.

Para o Fisco, o atleta e os responsáveis solidários - seus pais e as três empresas que administram - teriam atuado em conjunto para deslocar a tributação da pessoa física para as empresas, em busca de tributação mais favorável. O valor pago pelo Barcelona foi considerado um bônus de contratação pela fiscalização, por isso, teria natureza trabalhista, demonstrando vínculo entre o atleta e o clube.

Na sessão, o advogado do jogador, Marcos Neder, do escritório Trench, Rossi e Watanabe, afirmou que a fiscalização não demonstrou que as empresas tinham uma estrutura dissimulada, já que não há prova de que o dinheiro entrou na conta do jogador. Tampouco que ele tenha registrado beneficio econômico com a estrutura.

Além disso, segundo o advogado, a abertura das empresas seria necessária para administrar a imagem, para que o jogador pudesse se dedicar exclusivamente à atividade esportiva e não a mais de cem contratos. "Essa é a acusação, de que as empresas são uma casca, e ele, sozinho, exerce a atividade", afirmou Neder, na sessão.

Ainda segundo a defesa, a autuação deveria descontar o valor de IR pago pela pessoa jurídica, que teria sido de cerca de R$ 30 milhões. Além disso, desde 2014 Neymar não é residente no Brasil, mas continua pagando IR por meio das empresas.

Já a procuradora da Fazenda Nacional, Lívia da Silva Queiroz, afirmou na sessão que, conforme a fiscalização verificou, a estrutura adotada tentava diminuir o pagamento de tributos. "A empresa era vazia, não tinha um funcionário sequer durante o período analisado", afirma.

Os pagamentos destinados a NR Sports deveriam ter sido pagos à pessoa física, segundo Lívia. O valor pago pela transferência ao Barcelona também foi intermediado por uma pessoa jurídica artificial, que não tinha nenhum funcionário na época, segundo a procuradora.

O julgamento foi suspenso por um pedido de vista logo depois, ainda na análise de aspectos processuais. No total, foram apontados cinco pontos processuais. Somente a relatora, conselheira Bianca Felicia Rothschild, representante dos contribuintes, votou, contra o pedido processual do jogador. Para Bianca, não seria possível declarar a nulidade da autuação por causa de eventual erro na indicação do destinatário da cobrança. O conselheiro que votaria na sequência, Ronnie Soares Anderson, representante da Fazenda, pediu vista. O processo deve voltar a ser julgado em fevereiro.

Além da esfera administrativa, Neymar também enfrenta um processo criminal por sonegação fiscal e falsidade ideológica. O processo está suspenso, por uma liminar, e só poderá voltar a tramitar se Neymar perder a disputa no Carf. Mesmo após a decisão da Turma, o atleta ainda poderá recorrer no próprio Conselho, para levar a análise à Câmara Superior do órgão administrativo.

Neymar não é o único atleta a enfrentar o Fisco. Pelo menos 405 esportistas e artistas foram autuados pela Receita Federal desde 2003. O valor total supera meio bilhão de reais, segundo dados de 2016 da Receita. Apesar de várias autuações, a tese em discussão no processo do Neymar é nova no Carf, segundo advogados que acompanham a instância administrativa.

Depois de 2005, o uso de pessoas jurídicas para receber pagamento de direitos de imagem costuma ser justificada pelos atletas com base na Lei nº 11.196, de 2005, que permite a abertura de pessoa jurídica para o recebimento de remuneração por prestação de serviços intelectuais, inclusive de natureza personalíssima. Advogados de atletas entendem que é possível fazer os pagamentos na pessoa jurídica, mas há autuações quando o Fisco entende em sentido contrário.

Em novembro, a Câmara Superior do conselho julgou um caso envolvendo o ex-tenista Gustavo Kuerten, porém, a autuação era anterior à Lei nº 11.196, de 2005. O ex-tenista foi condenado a pagar Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) sobre contratos de patrocínio referentes ao período de 1999 a 2002 e informou, na época, que iria recorrer à Justiça.

__________

Fonte: Valor Econômico

Nossa Missão:

Apoiar os  nossos Clientes na realização de seus negócios, evitando-se litígios, prestando serviços jurídicos compromissados com a ética, responsabilidade e excelência.

Rua Manoel Couto, 105 Cidade Jardim CEP 30380-080 Belo Horizonte MG / Tel.: 31 3282-4363 Cel.: 31 9613-2297 e 31 9834-6892 Fax: 31 3281-2015
SITE DESENVOLVIDO POR ACT COMUNICAÇÃO EM PARCERIA COM READYPORTAL